segunda-feira, 14 de maio de 2018

O Que é Definido Pela Igreja Quanto ao Jejum e Abstinência

Retirado do site: https://formacao.cancaonova.com/igreja/catequese/o-que-igreja-orienta-sobre-o-jejum-e-abstinencia-de-carne/

Em consonância com o 4º Mandamento da Igreja o qual diz que, cada um deve “jejuar e abster-se de carne, quando manda a Santa Mãe Igreja”, o Código de Direito Canônico deixa estipulado o que devemos viver nos dias penitenciais (cf. cân. 1249-1253):
“Cân. 1249: Todos os fiéis, cada qual a seu modo, estão obrigados por lei divina a fazer penitência; mas, para que todos estejam unidos mediante certa observância comum da penitência, são prescritos dias penitenciais, em que os fiéis se dediquem de modo especial à oração, façam obras de piedade e caridade, renunciem a si mesmos, cumprindo ainda mais fielmente as próprias obrigações e observando principalmente o jejum e a abstinência, de acordo com os cânones seguintes.
Cân. 1250: Os dias e tempos penitenciais, em toda a Igreja, são todas as sextas- feiras do ano e o tempo da quaresma.

Cân. 1251: Observe-se a abstinência de carne ou de outro alimento, segundo as prescrições da Conferência dos Bispos, em todas as sextas-feiras do ano, a não ser que coincidam com algum dia enumerado entre as solenidades; observem-se a abstinência e o jejum na quarta-feira de Cinzas e na sexta-feira da paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo.”
No que se refere ao cânon 1251, a CNBB permite a substituição da abstinência de carne por uma obra de caridade, um ato de piedade ou comutar a carne por um outro alimento, realidade prevista pelo cânon 1253, que diz: “a Conferência dos Bispos pode determinar mais exatamente a observância do jejum e da abstinência, como também substituí- la, totalmente ou em parte, por outras formas de penitência, principalmente por obras de caridade e exercícios de piedade.”

A partir de que idade devo fazer jejum?

Em relação a idade dos que são obrigados à abstinência e ao jejum, o Código de Direito Canônico diz o seguinte no Cânon 1252: “estão obrigados à lei da abstinência aqueles que tiverem completado catorze anos de idade; estão obrigados à lei do jejum todos os maiores de idade até os sessenta anos começados. Todavia, os pastores de almas e os pais cuidem que sejam formados para o genuíno sentido da penitência também os que não estão obrigados a lei do jejum e da abstinência, em razão da pouca idade.”
De acordo com o comentário do mencionado Cânon, 14 anos é a idade para obrigatoriedade da abstinência e vai até o fim da vida. Para o jejum a obrigatoriedade é a partir dos 18 anos até os 59 anos completos.

A obrigatória a abstinência de carne em todas as sextas feiras do ano?

Confira resposta no cânon 251: “observe-se a abstinência de carne ou de outro alimento, segundo as prescrições da Conferência dos Bispos, em todas as sextas-feiras do ano, a não ser que coincidam com algum dia enumerado entre as solenidades; observem-se a abstinência e o jejum na quarta-feira de Cinzas e na sexta-feira da paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo.”
Atente-se à prescrição da Conferência dos Bispos aqui do Brasil, que permite a substituição da abstinência de carne por uma obra de caridade, um ato de piedade ou comutar a carne por um outro alimento. Assim, vê-se que é obrigatória a abstinência nas sextas-feiras prescritas, mas não necessariamente de carne, por conta do que é prescrito para o Brasil.

Quais os frutos espirituais do jejum e da penitência?

Como fruto espiritual do jejum destaca-se a educação da vontade. O jejum exprime a vontade e esforço de um converter-se para Deus. Ajuda a organizar exteriormente e interiormente o que está fora de ajuste, por exemplo, o controle dos apetites. Outro fruto é o domínio sobre em relação a si mesmo. As privações voluntárias tem em vista educar a vontade à submissão da vontade de Deus. Colocar-se na vontade de Deus é o principal fruto na vivência do jejum e da abstinência.
Deus abençoe você!

Padre Edison de Oliveira 

                   -O-que-a-Igreja-orienta-sobre-o-jejum-e-abstinência-de-carne

segunda-feira, 7 de maio de 2018

O Sinal da Cruz

 Retirado do site :https://pt.aleteia.org/2017/03/27/o-valor-do-sinal-da-cruz/

 

 Se você soubesse a importância desta oração, garanto que você a colocaria mais em prática!

*(†) Pelo sinal da Santa Cruz,*
*(†) livrai-nos DEUS, nosso SENHOR,*
*(†) dos nossos inimigos!*
*(†) Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!*

Quando você acorda, você faz sobre si o “sinal da Cruz”? E antes das refeições? E quando vai dormir? Ao menos alguma vez ao dia? Não?! Se você soubesse a importância desta oração, garanto que você a colocaria mais em prática!
Muitas pessoas, não entendendo a importância dessa oração, a fazem de maneira displicente, ficando apenas no gesto, sem a efetiva invocação da Santíssima Trindade.
*O “sinal da Cruz” não é um gesto ritualístico, mas sim, uma verdadeira e poderosa oração! É o sinal dos cristãos! Por meio dele muitos santos invocaram a proteção do Altíssimo, e através dele pedimos a Deus que, pelos méritos da Santa Cruz de Seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, Ele nos livre dos nossos inimigos, e de todas as ciladas do mal, que atentam contra a nossa saúde física e espiritual.*
*Mas você sabe fazer o “sinal da Cruz”?!*
De forma solene, sem pressa, e com a maior devoção e respeito:
*† Pelo sinal da Santa Cruz (na testa): pedimos a Deus que nos dê bons pensamentos, nobres e puros. E que Ele afaste de nós os pensamentos ruins, que só nos causam mal.*
*† Livrai-nos Deus, Nosso Senhor (na boca): pedimos a Deus que de nossos lábios só saiam louvores. Que o nosso falar seja sempre para a edificação do Reino de Deus e para o bem estar do próximo.*
*† Dos nossos inimigos (sobre o coração): para que em nosso coração só reine o amor e a lei do Senhor, afastando-nos, pois, de todos os maus sentimentos, como o ódio, a avareza, a luxúria… Fazendo-nos verdadeiros adoradores.*
*† Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém! – É o ato livramento e deve ser feito com a maior reverência, consciência, fé e amor, pois expressa nossa fé no Mistério da Santíssima Trindade, cerne de nossa fé cristã, Deus em si mesmo. Deve ser feito com a mão direita, levando-a da testa à barriga, e do ombro esquerdo ao direito.*
Agora que você já sabe a importância do “sinal da Cruz”, *faça-o antes de sair de casa, antes de qualquer trabalho, nas horas difíceis e nas horas de alegria também.*
*Faça-o sobre si, e, sempre que possível, na testa de seu filho, de seu marido, de sua esposa, de seu irmão, de seu sobrinho…
Peça a Deus, sempre, para que Ele te livre e aos seus, de todos os males, afim de fazermos tudo, acordar, comer, estudar, trabalhar, dormir, viajar… Em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo! Amém!*

(Autor desconhecido. Via Juventude OA)

                Resultado de imagem para sinal da cruz

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Exército de Deus

                      Claro que Deus é bondoso, maravilhoso e nos ama muito. Porém aqui na terra somos tentados e provocados constantemente por obras do mal e dificuldades rotineiras que na nossa pequenez não conseguimos  muitas vezes nos desvencilhar. O Senhor, entretanto, na sua infinita bondade nos concede seres admiráveis e muito superiores a nós, os santos e anjos, que por serem admiráveis e grandiosos seguidores do Senhor são mais ligados a Ele e merecedores das graças  divinas muito mais do que nós que erramos tanto. Por serem fiéis a Deus nos amam, cuidam e intercedem por nós sempre que requisitados. Todos os santos e anjos são maravilhosos porém podemos e devemos ter santos e anjos de nossa maior devoção e carinho. Podemos entender como um grande exército do bem para vencermos as forças do mal e as dificuldades cotidianas, com santos ou anjos de nossa veneração e admiração que elegemos por inspiração do Espírito Santo. Nada impede que coloquemos um assunto na mão de um santo e de Nossa Senhora ou, mais importante ainda de Deus, afinal Ele é o responsável e o comandante geral de tudo. 

Conclamo a todos a fim de definir o seu exército, deixando o meu para terem como base:



Imperador do Universo  e Comandante maior  de tudo -  Deus Pai
Comandante Geral  para Assuntos espirituais –  Espírito Santo
Comandante Geral para Assuntos terrenos e Rei do Mundo -  Jesus


General  para assuntos espirituais, pessoais  e terrenos  - Nossa Senhora
General para assuntos contra as tropas inimigas -  São Miguel Arcanjo

Coronel  para assuntos e problemas pessoais, materiais e cotidianos -  São José

Capitães para  assuntos diversos –
  
Padre Pio - Assuntos do meu filho
Santa Terezinha do Menino Jesus - Assuntos de minha filha
Santa Rita de Cássia - Assuntos de minha esposa
Santo Antônio - Assuntos de saúde
São Bento - Assuntos pontuais de ação do inimigo
São Francisco de Assis - Assuntos do nosso bichinho de estimação
Santa Tereza de Ávila - Assuntos de doutrina e conhecimento
São Lucas e São Rafael Arcanjo -  Assuntos médicos e profissionais
São Judas Tadeu - Assuntos graves extraordinários
Santo Afonso de Ligório - Assuntos profissionais de minha filha
Santa Edwiges - Assuntos financeiros e de dívidas

Sargento companheiro para assuntos diários e cotidianos -  Anjo da Guarda

Soldado raso combatente -  nós

Com este exército é impossível perdermos a guerra !!! 

                    Resultado de imagem para guerra

Se vc, assim como eu, tem um exército formidável de auxiliadores nossos,
cite os seus oficiais abaixo...Ou forme o seu exército e compartilhe conosco ...

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Penitência Como Virtude

Retirado do site : https://formacao.cancaonova.com/igreja/catequese/qual-e-a-virtude-que-encontramos-quando-fazemos-penitencia/

 

Como entender a penitência como virtude?

A importância da vivência da penitência para a vida de um cristão

A virtude da penitência inclina a pessoa a reparar os próprios pecados, é uma dor interior por conta do pecado cometido, uma forma de penitência interior, que nos faz crescer na interioridade.

O que é a penitência interior?

“A penitência interior é uma reorientação radical de toda a vida, um regresso, uma conversão a Deus de todo o nosso coração, uma ruptura com o pecado, uma aversão ao mal, com repugnância pelas más ações que cometemos. Ao mesmo tempo, implica o desejo e o propósito de mudar de vida, com a esperança da misericórdia divina e a confiança na ajuda da sua graça” (Catecismo da Igreja Católica, n. 1431).
                        Como-entender-a-penitência-como-virtude
Foto Ilustrativa: Daniel Mafra/cancaonova.com
A penitência como virtude nos leva ao sacramento da penitência. A experiência da conversão dos atos, expressas na Confissão, está diretamente ligado à sinceridade na vivência da Penitência interior, fruto da graça de Deus. “A conversão é, antes de mais, obra da graça de Deus, a qual faz com que os nossos corações se voltem para Ele: ‘Convertei-nos, Senhor, e seremos convertidos’ (Lm 5,21). Deus é quem nos dá a coragem de começar de novo.” (Catecismo da Igreja Católica, 1432).

Da penitência interior à penitência exterior

A conversão do coração frutifica em obras que trabalham em nós a desordem causada pelo pecado. Dessas obras, destacam-se a oração, o jejum e a esmola. É curioso perceber que, também, a atitude de rezar é um ato de penitência. Em suma, a oração é fruto do empenho de nossas faculdades espirituais, tanto a inteligência, quanto a vontade e a memória, para nos aproximarmos de Deus de forma íntima.
Hugo de São Vitor, em sua definição, ajuda-nos a compreender um pouco melhor essas faculdades que entram em ação na oração: “À memória atribuímos tudo aquilo que sabemos, ainda que nelas não pensemos. À inteligência atribuímos tudo aquilo que encontramos cogitando, o que também confiamos à memória; à vontade, tudo aquilo que é conhecido e inteligido e que, intensamente, desejamos por ser bom e verdadeiro” (Textos notáveis sobre a memória, n. 20).
Outra forma de penitência, não restrito aos dias de Quaresma, é o jejum e a abstinência de carne (cf. Código de Direito Canônico, cân. 1251). Uma nota, no mesmo cânon, explica que o episcopado brasileiro comuta a abstinência, nas sextas-feiras do ano, exceto na Sexta-feira Santa, em outras formas de penitência. Seja tirando algo que você gosta muito, seja acrescentando algo que você não goste ou tenha dificuldade de realizar. Isso o ajudará a fugir da tendência que o leva a escolher apenas coisas prazerosas, e não permitirá que você esqueça o dia penitencial.
A outra forma é a esmola. Essa resulta da boa vivência da oração e do jejum, porque é a manifestação concreta do que as duas primeiras formas de penitência realizaram em nós. Por exemplo, se eu tirei algo, esse algo eu devo dar a alguém que necessite.

As penitências e os tempos litúrgicos

A penitência é ressaltada mais no tempo do Advento e Quaresma, mas ela não se reduz a esses tempos litúrgicos. A penitência interior abrange todos os tempos, sempre é tempo de se rever, sempre é tempo de viver a penitência.
A penitência exterior não é necessária nos domingos e solenidades, bem como nas oitavas de Natal e Páscoa. Esses são tempos fortes de experiências com o Ressuscitado. A não penitência externa, nesses períodos, faz com que todo nosso ser acompanhe as alegrias dessas celebrações.
Assim, não deixe para viver a penitência apenas na Quaresma. Nossa conversão passa pela capacidade de impor limites aos nossos apetites e tendências. Nós precisamos de limites, e a penitência nos ajuda e ajudará a crescer nessa realidade.

Para que viver a penitência?

Vivemos a penitência para termos mais liberdade. Quem impõe limites a si mesmo cresce em liberdade. Liberdade é você saber até onde pode ir, é saber que tem limites, e a penitência nos recorda essa realidade. Penitenciar-se é crescer em liberdade e amor a Deus.
Deus abençoe você!

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Nossa Senhora Protege o Que é Dela

                 Final do ano passado fizemos a consagração de um Santuário Lar em honra de Nossa Senhora de Schoenstatt em nossa casa e dois Santuários Quarto no quarto de meus filhos (tenho um casal). O de minha filha de 17 anos foi nomeado como Santuário da Fortaleza, ele fica num móvel com estantes em um armário aberto, no ponto mais visível ficou o Santuário Quarto dela. Nas outras estantes tem livros, bichos de pelúcia e objetos de decoração, e bem no do lado ela deixava uma varinha do Harry Potter comprada quando fomos para a Disney em 2014; como é brinquedo a princípio não víamos problema. A varinha estava neste local a muitas semanas e no meio da estante, dentro da caixa dela. Sempre pedimos para Nossa Mãe e rainha morar conosco e cuidar de nosso Lar.          
                 Hoje de madrugada, cerca das 01:30, estávamos todos dormindo e eu acordei com um barulho de queda no quarto dela (que fica do lado do meu), acordei minha esposa e minha filha começou a nos chamar falando que estava com medo e que algo caiu da estante. Fomos lá e vimos que estava no chão a tal varinha e a caixa dela. Não tem como ela ter caído sozinha pois não estava na beirada (pelo contrário, ficava bem para dentro e na caixa dela, e as duas estavam no chão, num dia sem tremores e sem chuva). 
                   Entendemos e acreditamos que é Nossa Senhora nos dizendo para tirar isto do lado dela, pois apesar de ser um objeto de brinquedo ela remete a bruxos e, portanto, algo derivado daquele que é contra Maria e do Nosso Deus e Senhor maior. Nunca havíamos pensado nisto, mas encaramos como uma atitude concreta de Nossa Mãe para se e nos livrar de um objeto indigno de estar próximo do Santuário Quarto consagrado.

                    Viva Nossa Senhora e Jesus !!!
                               Resultado de imagem para nossa senhora protege